Quando

Quando deixamos de fazer algo é porque estamos muito ocupados, quando o outro não o faz, é porque está desorganizado.

Quando falamos, é uma crítica construtiva, quando o outro fala, te está atacando.

Quando defendemos uma ideia, é convicção,   quando o outro o faz, é obstinado.

Quando não cumprimos, é distração, quando o outro não cumpre, quebranta nossa confiança.

Quando mentimos, ocultamos algo, quando o outro mente, dizemos que engana.

Quando reclamamos, lutamos pelos nossos direitos, quando o outro reclama, é prejudicial.

Quando falamos de nós mesmos, é porque necessitamos nos reconhecer, quando o outro fala de si mesmo, é um presumido.

Quando fazemos alguma coisa sem indicação previa é iniciativa, quando o outro o faz, se está excedendo em suas funções.

Quando progredimos, é fruto de muito trabalho, quando o outro progride, teve sorte.

Achei este texto muito interessante para iniciar o mês de Elul!!!

Porque demonstra como muda nosso vocabulário quando nos referimosa nos mesmos ou quando nós estamos referendo a outras pessoas.

Pareceria que quando falamos de nós queremos evitar toda culpabilidade. Queremos ser inocentes sem prestar atenção ao alto preço que pagamos por isso.

Quando falamos dos outros quase que sem vontade os culpamos sem pensar como se sentiriam, se soubessem dos nossos pensamentos.

Iniciamos nosso caminho para os Iamim Noraim, lembremos nestes primeiros dias de Elul aqueles erros que mesmo sabendo voltamos uma e outra vez.

Antes que possamos buscar o perdão divino, necessitamos primeiro nos perdoar, por ter falhado e não ter conseguido cumprir com nossos compromissos com a nossas próprias promessas.