Os Diamantes do Mosteiro Chinês

por Pedro Luiz Mangabeira Albernaz

Esta é uma de minhas histórias prediletas.

Erle Stanley Gardner foi um grande escritor de novelas policiais, conhecido, principalmente, como o autor dos livros de Perry Mason.

Certa vez ele viajou para a China, onde foi muito bem recebido. Quis fazer um agradecimento especial às pessoas tão cordiais que o receberam e, como o que ele sabia fazer era escrever histórias policiais, escreveu um livro em homenagem aos seus amigos chineses.

O detetive se chamava Terry Clane e morava em São Francisco. Apaixonou-se pela mulher de seu melhor amigo e resolveu fugir. Viu na Chinatown um anúncio de um Mosteiro Budista localizado na China, que estava oferecendo diamantes de graça. Não teve dúvidas, embarcou no primeiro navio.

Certo dia, já de volta a São Francisco, estava jantando com uma moça e contou a ela a história dos diamantes.

“Era verdade?” perguntou ela.

“Sim. Eu vi os diamantes. Mas era necessário ficar no Mosteiro durante três anos para poder ficar com eles. Como eu não tinha nada para fazer, lá permaneci durante os três anos.”

“E você trouxe os diamantes?”

“Não. Ainda estão lá. Depois de ficar três anos no Mosteiro, eles já não tinham nenhum significado para mim.”